domingo, 5 de outubro de 2008

Da Rotunda à Ericeira

Dei-me conta, já o sol ia bem alto, que hoje é dia de mais uma celebração.
Uns celebram a implantação da República outros recordarão o fim da Monarquia.
Por mim, nada me impele a celebrar seja o que for. Vícios, defeitos e virtudes são comuns àquelas duas Damas históricas.
Temos exemplos de países monárquicos, em que a democracia é plena e cujo nível de vida nós, pobres republicanos, invejamos, o que também é verdade em muitas Repúblicas.
Mais do que os Regimes, importam os valores que suportam uma Sociedade. E, cá por mim, custava-me bem menos sustentar uma Família Real que toda uma corja de bácoros mamões a chuparem na teta do Estado.
E não sei o que decidiria se me dessem a escolher entre as intrigas palacianas da Corte de Então e as secretas manipulações maçónicas de Hoje...
Sendo assim, porque não falta quem felicite, convictamente ou por tradição, os vitoriosos homens da Rotunda, hoje torço pela parte mais frágil: saúdo com respeito a memória dos que, com Portugal a sangra-lhes no peito, embarcaram na Ericeira!