terça-feira, 25 de novembro de 2008

Há sinceridade nisso? Não há..não há....


Um dia destes, penso que no passado Domingo, inserido no programa "ecoeuropa", um dos canais televisivos de notícias, abordava o tema da defesa do meio ambiente na Eslovénia. Entre reportagens e entrevistas aos activos defensores dos ursos e outros animais em vias de extinção naquele país, bem como dos rios e outras mais valias da Natureza, surge no ecrã uma das ecologistas trajando um sumptuosos casaco de peles (ou imitação muito perfeita), enquanto debitava apelos para a necessidade da preservação da fauna e da flora locais.

Ridículo o exemplo, para tão séria causa!

À minha mente, que, a momentos se perde com laivos de despudor, ocorreu logo - e que Deus me perdoe -, aqueles sofríveis exemplos dos párocos, alguns, que nas vilas e aldeias deste santo torrão luso, lá do alto do púlpito clamavam para os seus fiéis ouvintes da missa matinal, da nobreza da castidade, da pureza da fidelidade, para, lá mais para o fim da tarde, irem espichar nas pipinhas dos servos da Igreja do lugar da pregação, ou melhor, darem uma dentadinha na maçã do sacristão.

Bem o tal dizia:

Escuta o que eu te digo, não olhes para o que eu faço!